Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

jornaldodiaadia

jornaldodiaadia

Artista substitui buracos de rua por arte em mosaico,

150521144448_pothole_chicago2_624x351_jimbachor150521144624_finland_pothole_624x351_jimbachorA falta que este artista faz em Portugal, teria trabalho para uma vida e não sei se chegaria.

Quem vê Jim Bachor vestido de colete fluorescente laranja e cimento nas mãos, debruçado sobre os buracos da rua de Chicago (EUA), às vezes confunde-o com os funcionários de manutenção da cidade. Mas Bachor faz mais do que tapar o buraco: ele deixa ali uma arte própria, em mosaico.

A experiência começou há dois anos, quando Bachor notou um grande buraco numa rua da sua vizinhança.

"Buracos são um problema universal que nunca é solucionado. Colocam asfalto e três meses depois o buraco abre de novo".  "Aquele buraco em particular fez-me pensar: por que não combino algo que tem uma solução tão temporária com algo de caráter tão duradouro como o mosaico?"

O artista americano havia começado a interessar-se pelo mosaico alguns anos antes, durante uma viagem à Europa, quando visitou e participou nas escavações na antiga cidade romana de Pompeia. Ali foram preservadas diversas obras antigas.

Bachor começou a criar mosaicos próprios como um hobby, enquanto trabalhava no mercado publicitário. Depois de perder o emprego, acabou se dedicando à arte de rua. E preencheu, desde então, 21 buracos, a maioria em Chicago, popularizando as imagens via Facebook (https://www.facebook.com/bachor) e Instagram (http://instagram.com/jimbachor).

Recentemente, foi convidado por uma organização artística da cidade de Jyvaskyla, na Finlândia, para criar mosaicos para o asfalto local.

Ele projeta os mosaicos antes, em casa, e faz a instalação na rua durante uma ou duas horas. Volta depois que o projeto estiver seco, para a limpeza final.

Bachor diz que nunca teve a intenção específica de chamar atenção ao problema dos buracos de rua, que considera "insolúveis".

"Para mim, é mais uma questão de dar uma alegria inesperada ao dia das pessoas", conta. "Opor algo universalmente odiado (o buraco) por coisas universalmente amadas, como (mosaicos de) gelados e flores."

O mosaico do primeiro buraco, porém, deixou de existir: há cerca de seis meses, a Câmara de Chicago  cobriu-o de asfalto, porque a área ao seu redor estava instável.

Bachor não é o primeiro a levar arte a buracos de rua e, em muitas cidades, o objetivo é tentar despertar a opinião e o poder públicos para o asfalto esburacado.

2 comentários

Comentar post